O Dilema da Escolha

Uma das maiores preocupações dos pais conscientes da sua tarefa, é a educação e o desenvolvimento sadio e adequado dos seus filhos. Evidentemente, boa parte desta tarefa é feita em casa.


Quando se faz necessário ampliar os horizontes das crianças, a sociabilização o contato com os outros, com o mundo e seus mistérios, a conquista de novas habilidades e o importante acompanhamento e incentivo de um profissional que acompanhe esses processos de acordo com cada fase do desenvolvimento, então precisamos de uma vital e importante parceria:

A Escola do Meu Filho !

Assim surge a pergunta: como escolher esta escola?


Neste momento vem ao nosso encontro toda sorte de critérios, pensamentos, experiências particulares, sonhos, traumas de infância, aceitamos conselhos e outras experiências e, juntamente com isto vem a enorme pressão do nosso mundo, os valores que ele nos exige e que, não poucas vezes, acreditamos como sendo nossos.

Como pais, somos norteados pela nossa visão de mundo e do que consideramos ideal em um ser humano.

Se acreditarmos que o conhecimento intelectual é o mais importante, então procuraremos uma escola que, já desde a Educação Infantil, ofereça alfabetização mais cedo, apostilas, outra língua, exames, etc. Nos inclinaremos a pensar que brincar não seja relevante e que poderia ficar em segundo plano.

Poderíamos também considerar que exista outra forma de educar e que a criança pequena aprenda, de modo que ela mesma seja a que conquiste todas as habilidades desejáveis ao seu desenvolvimento, mas de forma vivencial.

Que, deste modo, desperte interesse social, que consiga lidar com sucessos e fracassos, que encontre saídas inovadoras para os desafios, que desenvolva sua criatividade.

Esta outra forma envolve também, fortemente, o brincar criativo.

Então, iremos à procura de uma escola que valorize o tempo de infância, que respeite os tempos e as fases de desenvolvimento; que no lugar de especializar só certos aspectos, amplie as potencialidades do nosso filho, que permita que ele se conheça nos mais variados âmbitos, que traga alegria e prazer ao aprender e com isso se propicie a saúde a través da educação.


Uma escola que se torne parceira nossa, nesta importante e séria empreitada que é a de semear as condições adequadas para um ser humano que no futuro tenha força de vontade para a vida e o trabalho, que tenha empatia e resiliência para com seu entorno e que tome suas próprias decisões e se responsabilize por elas.

Mas o que, essencialmente, poderia nos nortear nesta crucial escolha?

Sem duvida, conhecer de perto as propostas pedagógicas destes possíveis futuros parceiros, é altamente recomendável.

A Madre Teresa de Calcutá escreveu, neste sentido:

"Ensinareis a voar, ...mas não voarão o teu voo   

Ensinareis a sonhar, ...mas não sonharão o teu sonho.  

Ensinareis a viver,...mas não viverão a tua vida

Ensinareis a cantar, ...mas não cantarão a tua canção

Ensinareis a pensar, ...mas não pensarão como tu

Porém saberás que

em cada voo,

em cada vida,

em cada sonho,

em cada canto e pensamento perdurará sempre

o rastro do caminho ensinado...e aprendido."


Desejamos uma boa reflexão e escolha!!